sábado, 20 de outubro de 2012

Muito, pouco ou nada...




Malmequer


Roubo o verbo do sentido,
Dou-lhe alguma quantidade,
De um querer não definido,
Com dúbia curiosidade.

“Mal-me-quer, bem-me-quer,
  muito, pouco ou nada”
“Mal-me-quer, bem me quer,
 não, talvez,  de forma errada”

Corre a imensa ladaínha,
Que engana até a vontade,
No fundo, sem querer saber,
Qual será a verdade.

(José Antunes – Outº/2012)

3 comentários:

  1. Verdade...verdadeira...verdadinha.

    ResponderEliminar
  2. Verdade nem sempre se encontra.
    Nas imensas ladaínhas...
    Melhor perguntar de frente
    Porquê as curiosidades minhas?

    ResponderEliminar