segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Hoje...

O milagre de um novo dia

Hoje eu me levantei cedo pensando no que tenho 
para fazer antes que o relógio marque meia noite. 
Eu tenho responsabilidades para cumprir hoje. 
Eu sou importante. 
É minha função escolher que tipo de dia terei hoje. 


Hoje eu posso reclamar porque está chovendo 
ou posso agradecer às águas
por lavarem energias pesadas. 


Hoje eu posso ficar triste por não ter muito dinheiro 
ou posso me sentir encorajado para administrar
minhas finanças sabiamente,
mantendo-me longe de desperdícios. 


Hoje eu posso reclamar sobre minha saúde 
ou posso dar graças a Deus por estar vivo. 


Hoje eu posso me queixar dos meus pais
por não terem me dado tudo que eu queria
quando estava crescendo,ou posso ser
grato a eles por terem permitido que eu nascesse. 


Hoje eu posso lamentar decepções com amigos 
ou posso observar oportunidades
de ter novas amizades.
Hoje eu posso reclamar por ter que trabalhar 
ou posso vibrar de alegria por ter um trabalho
que me põe ativo. 


Hoje eu posso choramingar por ter que ir à escola 
ou abrir minha mente com entusiasmo
para novos conhecimentos. 


Hoje eu posso sentir tédio com trabalho doméstico 
ou posso agradecer a Deus por ter dado-me a bênção 
de um teto que abriga meus pertences,
meu corpo e minha alma. 


Hoje eu posso olhar para o dia de ontem 
e lamentar as coisas que não saíram como
eu planejei ou posso alegrar-me
por ter o dia de hoje para recomeçar. 


O dia de hoje está à minha frente esperando
para ser o que eu quiser. 
E aqui estou eu, o escultor que pode dar-lhe forma. 


Depende de mim como será o dia de hoje
diante de tudo que encontrarei. 


A escolha está em minhas mãos:
Hoje eu posso enxergar minha vida vazia
ou posso alegremente receber
o Milagre de Um Novo Dia!

(Silvia Schmidt)



sábado, 29 de outubro de 2011

O que nos une à vida...



**********
Pensando nos netinhos (sete passarinhos)...


BOM FIM DE SEMANA

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Amo...

Com esta "Voz que se cala"...



***** BOM FIM DE SEMANA ***** 

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Hoje ...



Hoje, apaticamente não me atrevo a nada.
Ousadia, no meio de crise, não faz parte das minhas ações.

****
Hoje, simplesmente sou uma avestruz, 
com a cabeça enfiada num buraco no chão.
Não digo nada sobre mim mesmo, 
para não empolar a minha depressão.


****
Hoje...Envolvo-me em poesia, apenas para dizer aos meus amigos: 


"Eu estou vivo".


*****


"Quero dormir sossegado, sem nada que desejar"



“Aqui na orla da praia, mudo e contente domar,
Sem nada já que me atraia, nem nada que desejar,
Farei um sonho, terei meu dia, fecharei a vida,
E nunca terei agonia, pois dormirei de seguida.

A vida é como uma sombra que passa por sobre um rio
Ou como um passo na alfombra de um quarto que jaz

O amor é um sonho que chega para o pouco ser que se é;
A glória concede e nega; não tem verdades a fé.

Por isso na orla morena da praia calada e só,
Tenho a alma feita pequena, livre de mágoa e de dó;
Sonho sem quase já ser, perco sem nunca ter tido,
E comecei a morrer muito antes de ter vivido.

Dêem-me, onde aqui jazo, só uma brisa que passe,
Não quero nada do acaso, senão a brisa na face;
Dêem-me um vago amor de quanto nunca terei,
Não quero gozo nem dor, não quero vida nem lei.

Só, no silêncio cercado pelo som brusco do mar,
Quero dormir sossegado, sem nada que desejar,
Quero dormir na distância de um ser que nunca foi seu,
Tocado do ar fragrância da brisa de qualquer céu.”


Fernando Pessoa (Ortónimo)

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Cantinhos da "saudade"...



PAISAGEM

Entardecer... capim nas costas 
do negro reluzente
 
a caminho do terreiro.
 
Papagaios cinzentos 
explodem na crista das palmeiras 
e entrecruzam-se no sonho da minha infância, 
na porcelana azulada das ostras. 
Alto sonho, alto 
como o coqueiro na borda do mar 
com os seus frutos dourados e duros 
como pedras oclusas 
oscilando no ventre do tornado, 
sulcando o céu com o seu penacho 
doido. 
No céu perpassa a angústia austera 
da revolta 
com suas garras suas ânsias suas certezas. 
E uma figura de linhas agrestes 
se apodera do tempo e da palavra.

(MANUELA MARGARIDO)



*****
Com saudade... aqui!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Revisitando "a casa" de uma amiga...



Crepúsculo


Gostava de poder dizer-te,
meu amor perdido,
Esta sensação do mundo já vivido que existe em mim.

Gostava de poder correr,
Mão na mão, olhos nos olhos, pelos areais desertos
E reencontrar o mundo que falta viver.

Gostava de vencer o crepúsculo,
Com um sorriso alegre no corpo jovem.

Mas tenho receio que te juntes a mim nesta noite
Onde a estrela da manhã não aparece.

Espera-me para lá da madrugada.
Sabes, amor, eu talvez volte!



- José de Almeida, In “Palavras de Outono”

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Por alguém deixadas ao acaso...



Flores no meu regaço


Traço esboços
de uma melodia
nos passos que em ti
acalento das águas,
abarco toda a síntese
em flores no meu regaço…
Na serenidade dos teus lábios
quedo em nascentes
de epopeias cristalinas,
a lua nova
sonha luzes no céu,
são estrelas que crescem
em abraços nas folhagens
de um rio
que navega pelo teu corpo
esculpido nos gestos
que as tuas mãos
em mim delineiam…


(Ana Coelho )

domingo, 16 de outubro de 2011

Quando nos falta algo para dizer...

Lembremos o que alguém um dia nos enviou...




O Sorriso e o Silêncio


Se quiser dizer algo...
Que fale como o vento fala às folhas,
Que fale como a brisa que ameniza o coração.
E então construa no silêncio,
E ainda assim ouça vozes angélicas a cantar.
Roube de ti a sensação de paz inexistente,
E troque-a pela paz almejada e tão distante.
Se quiser dizer algo...
Simplesmente não diga,
Pois que pode ser que já esteja presente,
No fruir das almas, no dirigir dos dias,
Nos desencantos e na magia dos destinos.
E então dê apenas um sorriso de satisfação,
Pois que seduzido pelo encanto,
Nada será tão atraente senão a paz.
Paz que não é imobilidade,
Mas movimento contínuo,
e harmônico.
De modo que nem lágrima, nem riso,
Mas a lividez do rosto que tem olhos de ver,
Dos ouvidos que sabem escutar segredos,
Da voz que fala mesmo no silêncio.
Pois que nem a letra, nem a sílaba,
Talvez nem mesmo a palavra,
Pois que transcende em encanto.
Pois que sorri apenas.
E no sorriso está a magia.
O limiar entre o “benvindo!”,
E o “adeus!”,
Para descobrir o prazer do “até breve”.
Pois que o prazer estará sempre no encontro,
No unir que vence as individualidades.
E, por isso, sejamos breves,
Impulsionados por nossa eternidade.
E perdido o tempo,
Não mais tempo algum,
Senão uma ilusão de minúsculo instante,
Onde vejo, com o coração, um sorriso.



(Gilberto Brandão Marcon)

sábado, 15 de outubro de 2011

Mesmo que não esteja alguém à minha espera...


FIM DAS PRIMAVERAS INCOMPLETAS

 

Outono te trará a chuva 
E tudo que desejas abraçar
 
Noites enevoadas e enluaradas
 
Um relâmpago na mente
 
E um trovão no peito
 
O descanso almejado
 
De fato era a tua liberdade
 
A volta ao mundo dos sonhos
 
O nosso mundo !
 

Lembro das primaveras incompletas
 
E de como você me tomou
 
Sentiram minha falta os anjos ?
 
Só mais alguns anos...
 
Só mais alguns anos...



(Ronilson  **2009)

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Dando fim às minhas primaveras...




A cor da terra

No abismo 
onde se reflecte a cor da terra
fenecem as asas da liberdade
num prelúdio gemente 
de cordas soltas e gastas 
em mãos enclausuradas 
no aconchego do passado.


Num horizonte embuçado de nuvens 
onde o mar se perfuma da própria maresia
há um declínio liberto no cerrado da noite
um vagido silencioso na voz da madrugada
um desfraldar gélido de um vento vigil 
que antecede a derradeira morada.


E num leito de secas pétalas 
jaz moribunda a primavera 
na mente perdida no ermo do nada

(Liliana Jardim)

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Procuro me encontrar...



‎...... FUGA......

Vagando pelo inconsciente,
Perdido pelos caminhos da dor...
Atrás de um lugar meu, somente,
Para fugir deste horror !
Diante desta fragilidade,
Diante do que se perdeu,
Diante de tanta infelicidade
De nem saber quem sou "Eu !"
Presente perdido no passado,
Passado sem existir...
Tudo fica parado...
E "Eu", sem nada poder sentir !
Pelas asas da "razão",
Procuro me encontrar;
E de todo meu coração
Meu Amor, ainda posso lhe ofertar !

(Neyse Fernandes)

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Até logo, tristeza...

"Uma parte de cada vida, 
mesmo de cada vida insignificante,
decorre na procura da razão de ser,
dos pontos de partida, das fontes"


*****



Ore por mim! 
Pois estou atravessando um momento delicado em minha vida: 
É sério, fui ao médico hoje e 
o cardiologista constatou que eu tenho você no coração; 
O psicólogo disse que pensar em vocé é  bom, 
o fonodiólogo disse que falar e ouvir seu nome é ótimo! 
O fisioterapeuta disse que caminhar em sua companhia é bom; 
mas tive um alerta: 
disseram que ficar longe de você é péssimo para a minha saúde.. 
E que sentir sua presença, mesmo virtualmente, é o melhor remédio, 
E receitou teu carinho de hora em hora, em uso contínuo. 
Por isso, eu dependo da sua amizade. Promete que vai cuidar da minha saúde? 
Promete? 

***** 
Será que tem estofo para cuidar um "angustiante esgotamento
maníaco-depressivo"?